What’s New?

O Novo Testamento fornece uma história confiável da vida de Cristo?

Veja esta página em: inglês (English)

The Last Supper by Roselli

Desde que é do Novo Testamento que obtemos nosso conhecimento essencial sobre Jesus, é apropriado questionarmos se esta literatura é válida e historicamente correta. Os críticos freqüentemente descrevem os evangelhos como lendas piedosas, não dotadas de competência histórica e designadas somente para propósitos de propaganda. Embora se saiba que os evangelhos não são biografias em sentido estrito, segundo definições do século XX,[1] os fatos que se seguem dão imenso peso à exatidão histórica do Novo Testamento.

Estudos Obletivos Reforçam O Novo Testamento

Os arqueólogos que estudam antigas civilizações descobrindo ruínas e examinando artefatos, têm crescente êxito em confirmar a exatidão dos textos bíblicos. A defesa de Sir William Ramsey's dos escritos de Lucas é um exemplo clássico[2] Os achados arqueológicos têm, na verdade, revertido as opiniões de certo número de pessoas previamente céticas. Entre eles está o erudito Dr. William F. Albright, que escreve:

"O excessivo ceticismo mostrado contra à Bíblia [por certas escolas de pensamento] tem caído progressivamente em descrédito. Descobertas após descobertas têm estabelecido a exatidão de numerosos detalhes."[3]

Recentes descobertas arqueológicas incluem tanto o Tanque de Betesda (João 5:1) e “o Pavimento” (João 19:13). Sua existência foi posta em dúvida apenas a poucas décadas atrás. A confirmação da exatidão do local do Poço de Jacó também foi obtida (João 4).[4] Tais achados têm feito muitos estudiosos reverterem suas opiniões antes céticas sobre a historicidade do quarto evangelho. Seu autor tem demonstratado um óbvio e íntimo conhecimento da Jerusalém da época de Jesus, como esperaríamos do apóstolo João. Tais detalhes não teriam sido acessíveis a um escritor de geração posterior, pois Jerusalém fora demolida sob o exército romano de Tito em 70 A.D.

Ainda, a recente descoberta de um censo Romano similar àquele de Lucas 2:1, e a confirmação histórica de sua “sincronia”[5] em Lucas 3:1f, desvenda o cuidado tomado por Lucas na escrita do seu evangelho (Lucas 1:1-4).

[Saiba mais sobre descobertas arqueológicas que confirmam a exatidão da Bíblia.]

Críticos do evangelho de Lucas freqüentemente o retratam como improvável e de opinião subjetiva, mas eles não têm conseguido derrubar as confirmações históricas de Lucas.[6] E, por extensão, os outros dois evangelhos "Sinóticos"[7] de Mateus e de Marcos, pintando retratos essencialmente semelhantes do ministério de Jesus, são também relatos confiáveis de sua vida.

Além disso, Jesus é também mencionado fora da Bíblia por pessoas que viveram quase na sua época. Escritores seculares e extra-bíblicos (muitos hostis) falam da existência de Jesus, incluindo os escritos romanos de Tácito, Seutônio, Tálio e Plínio, e os escritos judaicos de Josefo e do Talmud. Gary Habermas cita um total de 39 fontes extra-biblicas antigas, incluindo 17 não-cristãos, que dão testemunho, fora do Novo Testamento, de mais de 100 detalhes da vida, morte, e ressurreição de Jesus.[8]

Os Evangelhos Contém Traços Internos De Integridade Histórica

Artist's conception of Jesus carrying cross

Há ainda características dentro dos quatro evangelhos que os marcam como história verídica; nem lenda nem propaganda fictícia. Considere que o escritores dos evangelhos põem os discípulos que mais se destacaram em pouca luz (Mateus 14:30, Marcos 9:33, Lucas 22:54). Note também que eles incluíram palavras duras de Jesus que, na verdade, repeliam muitos ouvintes (Mateus 21:28, Lucas 9:23, João 8:39).

Uma distinção dos quatro evangelhos é que seu famoso tesouro de boas novas não repousa explicitamente na superfície, mas esconde-se por trás do desafio (Marcos 8:34, João 12:25)[9] e ameaça (Mateus 25:31f). Tais características teriam tido efeitos contrários para os propagandistas. Sua presença nos quatro evangelhos evidenciam o desejo dos evangelistas de dizer a verdade, embora constrangedora ou incômoda.

O Texto Do Novo Testamento Está Firmemente Estabelecido

Alguns expressam sua preocupação de que a Bíblia possa ter sido alterada através dos séculos. É a esse assunto que os críticos textuais se referem. Eles têm descoberto manuscritos completos e partes de outros, uma porção datando do início do séc. II. O Novo Testamento tem um suporte textual muito melhor do que as obras de Platão, Aristóteles, Heródoto, ou Tácito,[10] cujos conteúdos ninguém questiona seriamente. Somado a isso, os documentos do Novo Testamento sempre foram públicos, e amplamente disseminados. Dessa forma, seria impossível para qualquer grupo modificar o seu conteúdo materialmente, como a Declaração da Independência, por exemplo, que, como documento público, não poderia ter sido particularmente alterado sem levantar notoriedade e criar um furor público. Sir Frederic Kenyon, ex-diretor do British Museum, comenta:

"O intervalo entre as datas da composição original e a mais antiga evidência subsistente [i.e. nossos mais antigos manuscritos] é tão pequeno que chega a ser desprezível, e o último alicerce para quaisquer dúvidas de que as Escrituras chegaram a nós substancialmente do modo como elas foram compostas têm agora sido removidas."[11]

Concluindo, não é necessário que o Novo Testamento seja tratado como um caso particular dando-lhe as costas devido à sua alegação especial. Simplesmente permita-se-lhe estar sujeito aos mesmos padrões histórico-críticos que os historiadores clássicos aplicam à literatura secular. Quando igual tratamento é permitido, os evangelhos passam natural e plenamente no teste.[12]

PRÓXIMOComo Podemos Saber Se Cristo Realmente Ressuscitou dos Mortos?

Referências e notas de rodapé

  1. N.T. Wright de Oxford diz que os quatro evangelhos canônicos se encaixam no vasto gênero de biografia helênica. Veja N.T. Wright, Who Was Jesus? [Quem Foi Jesus?] (Wm. B. Eerdmans Pub. Co., 1992), p. 73f. [acima]

  2. Sir William Ramsey, St. Paul the Traveller and Roman Citizen [São Paulo o Viajante e Cidadão Romano] (Grand Rapids, Michigan: Baker Book House reprint; 1949 das palestras de 1894). Com a intenção de desacreditar os escritos de Lucas, no último século, este hostil estudioso viajou por todo o Mediterrâneo. Mas ele se impressionou ao descobrir que seus achados arqueológicos confirmavam a plena exatidão dos costumes, locais, e títulos governamentais (e.g. “magistrados” Atos 16:35; "procônsul" Atos 18:12) que Lucas tinha mencionado. Estes variavam grandemente de região para região. Ramsey conclui, "Grandes historiadores são os mais raros dos escritores…[Eu reconheço Lucas] entre os historiadores de primeira classe." (pp. 3-4) [acima]

  3. W.F. Albright, The Archaeology of Palestine and the Bible [A Arqueologia da Palestina e a Bíblia] (Revell, 1935), p. 127. [acima]

  4. Raymond Brown, The Gospel According to John I-XII [O Evangelho Segundo João I-XII] (New York: Doubleday, 1966), p. XLII. [acima]

  5. “Sincronia” significa a junção de eventos separados numa só linha do tempo. [acima]

  6. A.N. Sherwin-White, Roman Society and Roman Law in the New Testament [A Sociedade Romana e o Direito romano no Novo Testamento] (Oxford, 1963). Sherwin-White é um renomado historiador de Oxford que escreve: "é impressionante que enquanto os historiadores greco-romanos vêm crescendo em confiabilidade, o estudo das narrativas dos evangelhos no século XX, partindo de materiais não menos promissores, tem dado uma curva tão sombria no desenvolvimento da crítica de forma… que o grau de confirmação, em termos greco-romanos, é menor para os evangelhos que para [O Livro de] Atos, devido… a diferenças em sua localização regional. Tão logo Cristo entra na órbita romana de Jerusalém [e.g., Herodes e Pôncio Pilatos] a confirmação se inicia. Para Atos [escrito por Lucas], a confirmação de historicidade é assombrosa." (p. 107f) [acima]

  7. "Sinótico" significa descrever Jesus de forma similar (sin = junto; optos = visão). [acima]

  8. Gary Habermas, The Verdict of History [O Veredito da História] (Nashville, Tennessee: Thomas Nelson Publishers, 1988), p. 169. [acima]

  9. G.K. Chesterton, Orthodoxy [Ortodoxia] (Image, 1959), p. 157. [acima]

  10. O mais perto que pudemos chegar dos documentos originais de cada um dos escritores escritores seculares clássicos mencionados foi entre 900 e 1300 anos. Por outro lado, o Fragmento do Novo Testamento “João Rylands”, contendo João 18:31-33, tem sido datado já por volta de 115 D.C. Manuscritos completos do Novo Testamento podem ser datados dentro de 300 anos de seu fechamento. Livros virtualmente completos do Novo Testamento, bem como fragmentos extensos, podem ser datados até 100 anos de seu desfecho. Aproximadamente o Novo Testamento inteiro pode ser encontrado em citações dos escritores cristãos primitivos. Veja Frederick Fyvie Bruce, The New Testament Documents: Are They Reliable? [Os Documentos do Novo Testamento: São Confiáveis?] (Downer's Grove, IL: InterVarsidade Press, 1972), p. 14f. [acima]

  11. Frederick Fyvie Bruce, The New Testament Documents: Are They Reliable? [Documentos do Novo Testamento: São Confiáveis?] (Downer's Grove, IL: InterVarsity Press, 1972), p. 20. [acima]

  12. O historiador militar C. Sanders aponta três testes em seu Introduction to Research in English Literary History [Introdução à Pesquisa em História Literária Inglesa] (New York: Macmillan, 1952), p. 143f. E Behan McCullagh cita sete fatores como critério para análises de documentos históricos.[a] Utilizando-se desses grupos de critérios, João Warwick Montgomery[b] e William Lane Craig[c] respectivamente, defendem os relatos evangélicos da vida, morte, e ressurreição de Jesus de modo inequívoco. O conhecido historiador clássico de Oxford, Michael Grant, escreve, "Se nós aplicarmos os mesmos critérios que nós aplicaríamos a fontes literárias antigas, as evidências são firmes e plausíveis o bastante para levar à conclusão de que o túmulo foi realmente achado vazio."[d] E Paul Meier escreve, "Se todas as evidências forem pesadas cuidadosa e justamente, é realmente justificável, segundo o cânones de pesquisa histórica, concluir que [o túmulo de Jesus] estava verdadeiramente vazio… E ainda nenhuma sombra de evidência fora encontrada em fontes literárias, epígrafe, ou arqueologia que pudesse contrariar esta afirmação."[e] [acima]

    [Leia também os fatos sobre as críticas do “The Jesus Seminar” (Seminário de Jesus)] (em Inglês)

    • a. C. Behan McCullagh, Justifying Historical Descriptions [Justificando Descrições Históricas] (Cambridge University Press, 1984), p. 19f.

    • b. John Warwick Montgomery, History and Christianity [História e Cristianismo] (Bethany, 1965).

    • c. William Lane Craig, "Did Jesus Rise From the Dead?" [Jesus Ressuscitou dos Mortos?] in M. Wilkins and J.P. Moreland, editors, Jesus Under Fire [Jesus Sob Ataque] (Grand Rapids, Michigan: Zondervan, 1995), p. 141f.

    • d. Michael Grant, Jesus: An Historian's Review of the Gospels [Jesus, Uma Revisão dos Evangelhos por um Historiador] (Scribners, 1977), p. 176.

    • e. Paul Meier, "The Empty Tomb as History," Christianity Today ["O Túmulo Vazio como História" - Revista Cristianismo Hoje] (March 28, 1975), p. 5.

[ Se essas informações têm-lhe sido úteis, considere, por favor, em oração fazer uma doação para ajudar-nos a arcar com os custos de fazer deste serviço de edficação da fé disponível para você e para sua família! Doações são deduzidas de impostos. ]

Traduzido por Avelar Guedes Junior

Autor: Rev. Gary W. Jensen, M.Div. Editor: Paul S. Taylor, Films for Christ. Fornecido por Films for Christ.

Copyright © 1998, Todos os direitos reservados - exceto como notado na página “Usos e Copyright” que granjeia aos usuários da ChristianAnswers.Net direitos generosos de usarem esta página em suas casas, em seu testemunho pessoal, em suas escolas e igrejas.

Go to Films for Christ

ChristianAnswers.Net/portuguese
Christian Answers Network
PO Box 1167
Marysville WA 98270-1167 EUA

Go to index page ChristianAnswers.Net em inglês
Página principalAtalhos
Página principal e Listagens